CUIDADOS COM A HIPERMOBILIDADE ARTICULAR

CUIDADOS COM A HIPERMOBILIDADE ARTICULAR

Você já deve ter visto pessoas que são capazes de colocar toda a palma da mão no chão sem dobrar os joelhos ou que cruzam as mãos e levam os braços para trás da cabeça, totalmente estendidos, não é mesmo? Aposto que sim!

Muitas vezes essa habilidade existe por conta da Hipermobilidade Articular Benigna, que ocorre devido a uma alteração genética que não regula corretamente a produção de colágeno, gerando certa fragilidade em alguns componentes no organismo, entre eles, a instabilidade dos tecidos moles.

As articulações que mais sofrem com esse problema são ombros, cotovelos, joelhos, punhos e dedos.

A frouxidão ligamentar das articulações acaba permitindo movimentos que vão muito além do limite natural do corpo. Dessa forma, as chances de acontecer entorses ou luxações são maiores. Além disso, quando um segmento corporal tem hipermobilidade, a tendência é o segmento próximo reagir com hipomobilidade (pouca mobilidade), gerando novos problemas.

O método Pilates é um grande aliado para quem tem essa característica. Com todo o autoconhecimento que o método proporciona, podemos fortalecer as musculaturas, criando mais estabilidade e segurança para as articulações e melhorar a consciência corporal, fazendo com que a pessoa perceba movimentos exagerados em suas articulações.

Vamos observar alguns exemplos de onde devemos manter a atenção em casos de hipermobilidade nos exercícios de Pilates:

Posição Quadrúpede no Solo

certo

errado

Atenção para não hiperestender os cotovelos. Procure manter os cotovelos olhando para fora e não para trás.

Posição Quadrúpede no Reformer

certo2

errado2

Atenção para não manter a descarga de peso no punho com muita flexão. Mantenha o máximo de espaço possível entre punho e mão.

Single Leg Pump

certo3

errado3

Ao manter a descarga de peso sobre uma perna só, a tendência é hiperestender o joelho. Dessa forma a sobrecarga na articulação aumenta muito. Procure sentir os músculos do pé trabalhando para empurrar o corpo para cima, abrindo espaços em todas as articulações da perna.

Viviane Vales
Educadora Física, especialista em Atividade Física Adaptada
Instrutora de Pilates – PMA-CPT.
www.tcpilates.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *